domingo, 26 de dezembro de 2010

Kannon e Buda... a trama da mente




Sentamos em zazen como Buda sentou e observamos o funcionamento de nossa mente.
Fios entrelaçados tecem a nossa forma de interagir, de ver o mundo, filtrá-lo, percebê-lo.
O tear de nossos pensamentos é complexo, e belo...
Delineamos, desenhamos codidianamente as nossas programações, tentando obter o máximo de controle de tudo o que nos cerca.
Shaquiamuni Buda, o iluminado, o desperto da família de Shaquia, ou Xaquia, se propos a compeender a mente, o porque do sofrimento, da velhice e da morte...Questões que formavam vários nós, enroscando continuamente o processo de tecer...
Sentou em zazen...e senta em zazen...E, se percebeu um com tudo o que existe. Seus pensamentos, não pensamento. Não agulha, não tear e, tear, agulha, pensamentos...ouvindo e vendo todos os sons do mundo, sendo os sons, o tear, a lã, a plantação de algodão, a árvore. Sem discriminar fenômenos, apenas nomes...apenas nomes...apenas nomes...no som, no som de profundo acolhimento e reconhecimento, espelhamento sem face...kannon, kanzeon...Observar sereno. Observar de longo alcance...

domingo, 12 de dezembro de 2010

Gemas Brilho Descoberta do que já é

A nossa composição de infinitas cores, formas, não formas, possibilidades, está em constante transformação nesse exato momento. Perceba. Agora. Expire todo o ar de seu pulmão. Inspire...expire...
Perceber o aqui e agora, onde está toda a sua vida futuro, passado, presente...no polimento suave, compassivo, desperto, constante, revela-se o brilho natural de sua mente não mente...
Seja feliz. Aprecie a sua vida a cada instante.