terça-feira, 9 de março de 2010

UBUNTU




Ubuntu


É uma palavra-conceito que, nas línguas africanas zulu e xhosa, significa “Sou quem sou por aquilo que todos somos”. Ela exprime o reconhecimento de um vínculo universal de compartilhamento que conecta toda a humanidade, no sentido de sermos pessoas através de outras pessoas.

Nada mais verdadeiro. Quando ingressamos no cenário da vida, nossa condição é extremamente precária, precisamos de cuidados permanentes antes de adquirir autonomia. Nossos pais, ou aqueles que acolheram nosso desenvolvimento, tiveram de oferecer seu tempo, seu afeto e atenção por anos a fio para nos alimentar, agasalhar, educar, encorajar e abrir espaços de segurança onde cada um de nós pudesse expressar sua singularidade e potencial criador.

E não apenas eles, mas toda a comunidade ou cultura está presente em nossa formação. A unidade de sentido, o repertório de valores, a visão de mundo, os medos e aspirações permeiam o imaginário e a racionalidade que acompanha nossos dias. São os alicerces sobre os quais construímos e cultivamos nossa identidade, que é depositária de milhões de variáveis que atualizam a experiência sempre renovada e crescente da história da humanidade. Cada um de nós presentifica a ancestralidade que nos deu origem, e a cultura é a imagem visível de conhecimentos e fazeres que se perpetuam e também se renovam de geração em geração.
Lia Diskin. Associação Palas Athena. São Paulo.

Um comentário:

  1. Heishin, obrigada pelo convite.
    O passeio pelo seu "blog florido" é uma delícia.
    Parabéns!
    gassho

    ResponderExcluir

Integre esse espaço...dê a sua opinião e compartilhe as suas reflexões.